A primeira edição da Feira de Inovações Tecnológicas (FEITEC) do campus de Ananindeua, nestes dias 3 e 4 de dezembro, teve como objetivo estimular a iniciação científica por meio de atividades interativas e interdisciplinares. Com o tema: “Unindo conhecimentos e inovando tecnologias”, o primeiro dia da programação contou com palestras sobre inovações tecnológicas na Amazônia e exposições de projetos produzidos por estudantes.

Para Maria Vitória, aluna de Engenharia da Computação, essas iniciativas são oportunidade para os alunos experimentarem as possibilidades existentes na graduação. “A maior parte do meu grupo ainda está no primeiro semestre, mas já participamos de eventos locais e nacionais sobre ciência e tecnologia e, até então, o interesse pelo tema só aumenta”, afirmou. Já para os professores do curso de Geoprocessamento Paulo Bittencourt e Antonio Gomes, eventos como esse são inovadores por despertar o interesse dos estudantes em seu desenvolvimento, de forma que também estimulam a Universidade a inovar em seu processo de expansão.

Aliar tecnologia e sustentabilidade - O projeto Destino Sustentável, apresentado na feira por Maria Vitória e outros estudantes dos cursos de Engenharia da Computação, Sistemas de Informação e Engenharia Civil, busca criar uma comunidade virtual que reúna a população em prol do comércio de Resíduos Recicláveis. O objetivo central é aliar tecnologia e sustentabilidade para unir empresas que fazem o comércio de resíduos com os catadores da região.

“De acordo com nossa pesquisa, em Castanhal não há associações que reúnam os catadores, o que torna o processo de comercialização muito individual, impedindo o comércio com empresas do segmento que normalmente trabalham com grandes volumes”, explicou a estudante. Para ela, desenvolver projetos como este ajuda a pensar não apenas em soluções que visem alguma finalidade comercial, mas também fazer diferença no cotidiano daquele público que será atendido pela ideia: “desenvolver uma ideia que os ajude a trabalhar com maior rendimento e lucro é muito importante, reforça nosso compromisso de aproveitar a universidade para ter ideias que ajudem as pessoas”.

Expectativas atendidas - Para Lilian Silva, uma das organizadoras, a Feira atendeu as expectativas em todos os aspectos. “Nosso principal interesse era unir as produções feitas na Universidade com as feitas pelos estudantes do ensino regular para mostrar que as criações feitas na universidade tem, justamente, esse objetivo de atender a comunidade, é muito bom ver essa mensagem sendo transmitida”, afirmou.

O segundo dia do evento contou com minicursos e outras exposições sobre tecnologia apresentadas por alunos da UFPA e por estudantes do ensino fundamental e médio. Além disso, houve ainda a participação dos projetos de extensão da Faculdade de Física da UFPA (LABDEMON, NASTRO e MINF) e do Laboratório de Engenhocas da Faculdade de Ciência e Tecnologia do Campus Ananindeua. Também ocorreu uma cerimônia de premiação para os trabalhos que alcançaram as melhores avaliações pela comissão de professores que acompanhou as apresentações de trabalhos e programação cultural.


A equipe dos alunos da Faculdade de Computação que foi premiada como melhor trabalho na submissão de pôster é formada pelos alunos: Maria Vitória Rodrigues Oliveira (caloura engenharia de computação), Luciano Arruda Teran (calouro Sistemas de informação), José Ítalo da Costa Silva (calouro Engenharia de computação), Ícaro Natan da Silva Moraes (calouro Engenharia Civil Belém) e Adrielle Veras de Almeida (Sistemas de informação).

 

Texto: Assessoria de Comunicação da UFPA